Turismo de base comunitária

You are currently browsing the archive for the Turismo de base comunitária category.

O Novo tablado, para deixar os banistas mais a vontade

 

A importância dos visitantes é muito grande para nossa Comunidade, que a cada dia melhoramos cada vez mais a estrutura da vila e dos lugares mais frequentados. Visando claro, a boa estadia dos visitantes e admiradores.A preocupação é deixar os turistas a vontade. O clima é de montanha, e está aqui é sentir-se tranquilo, em paz consigo mesmo, sem se preocupar com o mundo lá fora, isso é Cachoeira do Aruã.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ivacilda Soares, proprietária do aconchego...

 

 

 

 

Ivacilda Soares, filha de Cachoeira do Aruã, é uma mulher que sempre lutou por esse lugar abençoado e maravilhoso, é a proprietária do aconchego do Aruã.

Ela oferece para os visitante, quartos para grupos de 4 à 5 pessoas, restaurante, e claro um ótimo atendimento. Café da manhã é regional e a alimentação é típica do lugar, como: peixe e galinha caipira, etc…

O paraíso está aqui

Em todos o lugares do mundo existem belas cachoeiras, praias, paisagens naturais, etc… mas em Cachoeira do Aruã, as quedas de nossas cachoeiras são de encher os olhos de nossos visitantes. Você não tem apenas as belas paisagens naturais, você tem a sua disposição, Chalés e restaurante. Um fim de semana agradável em família ou em grupo é aqui em Cachoeira do Aruã…

Chalés e Restaurante



O Barco Kariane (foto acima), de propriedade do Sr. Everaldo Rêgo, está fazendo linha até Cachoeira do Aruã, Saindo de Santarém todas as quintas feiras (5ª – feira) às 20:00 horas do Mercadão 2000 e retornando aos domingos a partir das 12:00 horas.

O Barco tem a capacidade para 80 passageiros com 4 camarotes a disposição dos clientes, oferendo oportunidade para quem quizer conhecer um dos pontos turísticos de Santarém a Famosa Cachoeira do Aruã, que já dispõe de alojamento nos chalés, café da manhã, refeições, banho e descida na cachoeira, trilhas, passeios de canoa e outros.

Texto: Jorge Andrade

Newer entries »